Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos no Comércio e em Empresas de Assessoramento, Perícias,

Informações  e Pesquisas e de Empresas de Serviços Contábeis de Jundiaí e Região - SEAAC JUNDIAÍ


Home
Guias
Twitter
Blog
Ao Pe da Orelha
Base/Atendimento
Presidente
Diretoria
Categorias
Circulares CCT
Jurídico
Homologações
Seaac Destaca
Observador
Associe-se Já!
Faça seu Currículo
Convênios
Fale Conosco

 

MULHERES DIGAM SIM À VIDA!

No Brasil - e mundialmente - são os homens os que mais matam e mais morrem por armas de fogo. No entanto, as mulheres são também afetadas, direta e indiretamente, por este tipo de violência:

  • Nas capitais brasileiras, 44,4% das mulheres vítimas de homicídios em 2002 foram mortas com armas de fogo (ISER, 2005: com dados do Datasus, 2002).

  • Em 2004, 2.130 mulheres foram internadas por ferimentos com armas de fogo no Rio de Janeiro  (ISER, 2005: com dados do Datasus).

  • As mulheres também são as principais responsáveis pela prestação de cuidados a pessoas feridas com armas de fogo, incluindo apoio psicológico e econômico em famílias e comunidades devastadas pela violência.  Embora o número de mulheres que ficam viúvas como conseqüência dessa violência cresça todo ano, mulheres brasileiras ganham, em média, 58,6% do salário recebido pelos homens (IBGE, 2003).

Os dados comprovam: Armas não te protegem!

Armas exacerbam problemas como a violência contra mulheres:

  • Mundialmente, 40% a 70% dos homicídios de mulheres são cometidos pelos seus parceiros íntimos (Dahlburg and Krug, 2002).

  • Em homicídios e tentativas de homicídios com arma de fogo, mais da metade das mulheres vítimas (53%) conheciam seu agressor – para homens, essa porcentagem cai para 18%. E mais de um terço (37%) dessas mulheres tinham uma relação amorosa com seu agressor. (ISER, 2005: com dados das Delegacias Legais do Rio de Janeiro entre 2001 e 2005).

  • Os autores de estupro não são, em muitos casos, estranhos. No Estado do Rio de Janeiro, segundo dados recolhidos entre 2001 e 2003, 48,8% dos autores de estupro eram conhecidos da vítima (CeSEC, 2005).

Armas causam acidentes, particularmente com crianças em casa:

  • A cada dia, três crianças (0-14 anos) são internadas em hospitais com lesões por armas de fogo, duas por motivo acidental e uma devido a agressão (ISER, 2005: com dados do Datasus, 2002).

  • Dentre jovens de 15 a 24 anos – o maior grupo de risco da violência armada no Brasil – quase  um terço (31%) de hospitalizações por lesões com armas de fogo foi devido a acidentes (ISER, 2005: com dados de Datasus, 2002).

O desarmamento aumenta a segurança, particularmente das mulheres

O controle de armas contribui para diminuir os riscos para toda a sociedade – mas a redução no número de mulheres mortas é o primeiro e mais significativo dos resultados:

  • No Canadá, entre 1995 e 2003, a taxa de homicídios por arma de fogo caiu 15%. Os homicídios de mulheres por arma de fogo diminuíram em 40% (Canadian Department of Justice, 2004).

  • Na Austrália, cinco anos depois da aprovação lei de 1996, que praticamente proibiu a venda de armas de fogo, a taxa de homicídios por arma de fogo caiu em 50% na população geral. Entre as mulheres, a diminuição foi de 57% (Australian Institute of Criminology, 2003).

Segundo o TSE, mulheres são mais da metade dos que votam no Brasil.

Agora não é só com os políticos – a decisão está nas nossas mãos!

Fonte:www.referendosim.com.br


SEAAC de Jundiaí e Região - Fale conosco! - (11) 4522-4802