Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos no Comércio e em Empresas de Assessoramento, Perícias,

Informações  e Pesquisas e de Empresas de Serviços Contábeis de Jundiaí e Região - SEAAC JUNDIAÍ


Home
Twitter
Blog
Ao Pe da Orelha
Base/Atendimento
Presidente
Categorias
Circulares CCT
Jurídico
Homologações
Seaac Destaca
Observador
Associe-se Já!
Faça seu Currículo
Convênios
Fale Conosco

 

AO PÉ DA ORELHA

 

OS CONSTANTES DESAFIOS AO TRABALHADOR

 

Estamos vivendo um momento de transição política econômica no Brasil, que nos colocou nas mãos de um governo claramente neoliberal. Embora o executivo esteja dando mostras de querer um diálogo amplo com os trabalhadores, sua agenda política contempla, de fato, os anseios do mercado. Assuntos como flexibilização e previdência estão na linha de frente.

 

Nesta etapa de transição é necessário que o movimento sindical brasileiro esteja fortemente unido, para enfrentar uma das mais graves ameaças que trabalhador pode sofrer: a redução de direitos e benefícios conquistados por gerações, que lutaram para que hoje tenhamos um salário mínimo, 8 horas de jornada diária, férias, aposentadoria e outros benefícios estipulados na CLT. Não é certo nem justo que governo se aproveite desse momento transitório e aflitivo economicamente para promover vantagens indevidas ao mercado.

 

A constituição brasileira é clara em sua atribuição de ampliar progressivamente a qualidade de vida de cidadão, portanto, a supressão de direitos e benefícios é inadmissível, principalmente porque não são os reais motivos das dificuldades vivenciadas pelo país.

 

Sabemos que o mundo evoluiu, mas os trabalhadores evoluíram também, conquistando um arsenal de experiência que hoje pode ser colocada em prática nas duras negociações que estão por acontecer entre governo trabalho e capital.

 

A unidade da ação sindical é exigida fortemente nesta transição e deve se manter permanente, pois, uma vez vencida esta etapa, outros desafios certamente se apresentarão ao trabalhador.

A Diretoria

 


 

JUNHO VERMELHO

 

O dia 14 de junho é considerado o Dia Mundial do Doador de Sangue e, por isso, o mês de junho foi eleito para acolher a campanha Junho vermelho, que é uma ação de incentivo à cidadania e à solidariedade. No Brasil, os doadores correspondem a apenas 1,9% da população, um número baixo, uma vez que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que 3% a 5% dos habitantes de um país sejam doadores.

 

Somente quem vive a dificuldade de conseguir sangue sabe a importância das doações. Com a chegada do inverno, o número de doações cai ainda mais. A queda de temperatura, o aumento das infecções respiratórias e outras enfermidades fazem com que as doações diminuam em média 30%. Além disso, com o período de férias há um aumento no número de acidentes nas estradas, o que pressiona ainda mais os estoques dos hemocentros. Não há um material substituto. Em caso de cirurgias ou tratamentos, só se pode contar com a solidariedade dos doadores.

 

A doação de sangue, muito mais do que um ato capaz de salvar vidas é um ato poderoso de solidariedade que nos iguala como seres humanos, uma vez que sangue não tem cor, nem gênero, nem religião, nem partido político, nem time de futebol.

 

Fortaleça esta campanha, participe, divulgue, incentive, DOE!

 

A Diretoria


 

MAIO AMARELO, POR UM TRÂNSITO MAIS SEGURO!

 

Com o objetivo de chamar a atenção para a segurança no trânsito, durante todo o mês de maio acontece a campanha Maio Amarelo. Utilizando um fitilho amarelo como símbolo, o movimento internacional quer mobilizar a sociedade e conscientizar o público para tornar o trânsito mais seguro e diminuir os acidentes.

 

O Brasil está entre os 50 países no mundo onde mais se morre no trânsito, segundo dados demonstrados pelo seguro obrigatório DPVAT. Mais de 50 mil pessoas morrem todos os anos em acidentes no país; são 136 mortes por dia ou cinco por hora, além de 440 mil pessoas que ficam com sequelas permanentes. Mais de R$ 40 bilhões ao ano são gastos com acidentados de trânsito no país.

 

Diante deste assustador quadro de violência que vem se apresentando no trânsito, torna-se necessário o envolvimento do poder público e sociedade na tarefa de educar, na qual a família e a escola são a base formadora.

 

O Maio Amarelo, entretanto não é apenas uma campanha, mas sim uma ação, onde toda a sociedade está convidada a participar de debates sobre trânsito e como torná-lo mais seguro. Um assunto que preocupa diversos países e que precisa ser conversado. A ideia é definir ações mais eficazes para promover a conscientização de motoristas e pedestres.

 

O movimento Maio Amarelo traz a oportunidade de mudar a situação caótica do trânsito, através da multiplicação de informações e ações de pessoas físicas e jurídicas conscientes da importância do comportamento responsável e seguro em todos os meios de transporte, que exigem também do poder público que cumpra sua parte.

 

Para que isso, precisamos nos mobilizar, convocando os amigos e buscando parcerias com a sociedade organizada. Se não sabe por onde começar, busque o apoio das associações de moradores do seu bairro, dos Rotary Clube, dos Conselhos Comunitários de Segurança, do terceiro setor, das instituições, dos organizadores do Maio Amarelo. Convide o máximo de pessoas e entidades que puder, mas não fique parado! Divulgue, participe!

 

A Diretoria

 


 

POLÍTICAS PARA MULHERES

 

Milhares de mulheres chegam à Brasília para participar da 4ª Conferência de Políticas para as Mulheres, que desenvolve o tema “Mais direitos, participação e poder para as Mulheres”, após um período de conferências municipais e estaduais que definiram os conteúdos que deverão direcionar a pauta do evento nacional.

 

Vivemos em uma democracia, mas essa democracia ainda tem que avançar, pois, está repleta de desigualdades. Hoje, após anos de lutas do movimento feminino social, as possibilidades abertas são produto de uma história de embates que garantiu às mulheres liberdade de expressão e organização política.

 

A 4ª CNPM é parte de um processo de participação política no âmbito do poder executivo que deve trazer novos sentidos e novas práticas que façam avançar a democratização do Estado, garantindo a participação das mulheres nos espaços de poder e decisão. Todas as mulheres podem e devem exercer o poder de participar ao partilhar conhecimentos, competências e informações, em relação à melhoria das práticas de gestão e de representação, para que todas as unidades da Federação consigam cumprir com sua missão constitucional de propiciar condições de autonomia e qualidade de vida às mulheres por meio das políticas públicas.

 

O caminho da emancipação e igualdade é tortuoso e exigirá do movimento de mulheres, muita organização, capacidade de luta e nenhuma paciência ou indulgência com um sistema machista produtor de exploração e desigualdade.

 

Uma vez determinadas as estratégias de avanço das políticas para mulheres na 4ª CNPM é arregaçar as mangas e colocar a mão na massa para implementar o que se faça necessário para aplicá-las.

 

A Diretoria


 

SANEAMENTO POLÍTICO!

 

A operação Lava Jato é a maior investigação sobre a corrupção na história do Brasil. Tão grande que chegou ao mais alto escalão da república, apesar das inúmeras tentativas sorrateiras ou escandalosas para barrar suas investigações.  As instâncias do poder estão cheias de inimigos da Lava Jato.

 

Em dois anos a operação abriu 212 inquéritos policiais, somou 93 condenações, apreendeu ou bloqueou pelos menos R$ 2,4 bilhões em propinas e desvios, segundo dados da polícia federal até março deste ano.

 

Ao bater nas portas do executivo federal, a operação expôs políticos endeusados, tornando-se alvo de adversários poderosos, que podem simplesmente trocar ministros ou a chefia da polícia federal. A única proteção que a Lava Jato tem é a sociedade civil que vai às ruas manifestar seu apoio e exigir o combate á corrupção.

 

Neste momento, entretanto, o cenário político está totalmente conturbado. Se haverá ou não uma troca de governo, ainda não sabemos, mas sabemos perfeitamente que sejam quais forem as mãos governando, a sociedade não pode permitir que haja qualquer retrocesso na operação Lava Jato; é importante que ela continue na mídia, sendo seus passos informados à sociedade, que exige que o Ministério Público, Polícia Federal e a Controladoria Geral da União tenham autonomia  para agir.

 

O Brasil precisa ser saneado, os brasileiros exigem saneamento político!

 

A Diretoria

 


 

QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

 

Qualificação profissional são os atributos e características de um trabalhador para se posicionar bem no mercado de mercado. Qualificação profissional é a preparação para aprimorar suas habilidades e especializar-se em determinadas áreas para executar da melhor forma seus encargos.

 

Hoje, são muitos os desafios e um deles diz respeito à qualificação profissional. Com o mercado de trabalho cada vez mais competitivo, todo profissional precisa estar preparado para os desafios constantes e com respostas rápidas às necessidades dos empregadores. O mercado de trabalho busca profissionais não apenas com habilidades técnicas, mas também com habilidades humanas e conceituais, um trabalhador multifuncional.

 

Neste contexto, os cursos gratuitos de qualificação são uma oportunidade para garantir o primeiro emprego, mudar de carreira, garantir o emprego com carteira assinada ou retornar ao mercado de trabalho.

 

Assim, é fundamental estar atento as oportunidades oferecidas gratuitamente, como o cursos do Senai/Senac, o Programa Estadual de Qualificação Profissional, o Programa Via Rápida Emprego etc. Em uma busca pelo Google você vai encontrar inúmeras oportunidade para qualificar-se e quem melhor se qualificar terá maior chance de sobreviver no mercado por um bom tempo.

 

A Diretoria


 

NÃO SE CALE!

 

Embora hoje a mulher esteja legalmente mais protegida, a violência dentro de casa ainda é uma realidade na vida de muitas, que não conseguem se desvencilhar de uma atitude de passividade.

 

Os motivos desta inércia são muitos, entre eles o medo do agressor, a dependência financeira, dependência afetiva, não conhecer os seus direitos, não ter onde denunciar, percepção de que nada acontece com o agressor, falta de autoestima, preocupação com a criação dos filhos, sensação de que é dever da mulher preservar o casamento e a família, vergonha de se separar e de admitir que é agredida, acreditar que não vai mais acontecer, ser aconselhada pela família a não denunciar, não poder retirar a queixa.

 

Mas, este status quo está mudando. O aumento das notificações é um dado positivo, que tem crescido ao longo dos últimos anos nos quais a lei Maria da Penha tem sido aplicada, acompanhada de inúmeras campanhas educativas contra a violência doméstica, que promovem esclarecimentos e incentivos que começam pelas escolas, alcançando as novas gerações e espalhando-se pela sociedade. Estas campanhas mostram quais são os direitos da mulher, o que podem fazer e a quem recorrer.

 

Vencer de fato a violência também está nas mãos das próprias mulheres, que devem parar de encarar o fato de serem agredidas como algo normal e quebrar o silêncio. A denúncia de violência doméstica pode ser feita em qualquer delegacia, com o registro de um boletim de ocorrência, ou pela Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180), serviço da Secretaria de Políticas para as Mulheres. A denúncia é anônima e gratuita, disponível 24 horas, em todo o país. Para proteger e ajudar as mulheres a entenderem quais são seus direitos, em 2014, a Secretaria lançou um aplicativo para celular (Clique 180) que traz diversas informações importantes, como os tópicos da Lei Maria da Penha.

 

NÃO SE CALE!

 

A Diretoria


 

TODO DIA É DIA DE LUTA PARA AS MULHERES!

 

As comemorações do 8 de março estão mundialmente vinculadas às reivindicações femininas por melhores condições de trabalho, por uma vida mais digna e sociedade mais justa.

 

Por causa da morte de 130 mulheres, que lutavam por seus direitos em uma indústria têxtil americana, 8 de marco é um dia de luta para a mulher e de respeito a todas que morreram para nos garantir um mundo melhor. Esta é uma luta antiga e tem contado com a força de inúmeras mulheres que nos vários momentos da história da humanidade resistiram ao machismo e à discriminação.

 

Assim, dia 8 de marco é dia de sair às ruas e reivindicar condições melhores para nossas filhas, netas e bisnetas. Não é um dia para presentes, nem jantares, nem flores ou chocolate. É um dia para a reivindicação de respeito e valorização da mulher como ser humano! É um dia de reflexão.

 

É dia de protestar contra a imagem feminina vendida como mercadoria, contra os corpos prostituídos por alguns trocados, contra a violência sexual, física e moral, contra a pecha de fragilidade e incapacidade, contra a ditadura da beleza exacerbada, contra a jornada tripla, contra a falta de oportunidades e trabalho decente, entre muitas outras necessidades.

Mas, também é dia de ser feliz sendo respeitada por ser mulher, esposa, mãe, profissional, militante, que começa a ocupar seu lugar de direito na sociedade.

 

É dia de deixar claro que o movimento de mulheres ainda tem muito por fazer, batalhando por cuidados diferenciados na saúde, por equivalência salarial, pela ocupação de espaço nos andares de cima de empresas, ministérios e organizações governamentais.

 

Para as mulheres que lutam pela igualdade, 8 de março é todo dia!

 

A Diretoria


 

PEQUENAS AÇÕES DE CIDADANIA

 

A gente sempre pensa que age todo o tempo com cidadania, mas muitas vezes nos recusamos a participar da vida em comunidade. Você pode até achar que esse papo não tem nada a ver com seu dia-a-dia... mas tem sim, pois, cada vez que você age pensando somente em si mesmo, está deixando de exercer cidadania, porque a cidadania não é só ter direitos e deveres, mas também ter a consciência de que devemos nos esforçar para construir uma sociedade melhor, mesmo com pequenas ações, portanto:

 

Você acha um absurdo a corrupção da polícia?

Solução:  NUNCA suborne nem aceite suborno!

 

Você acha um absurdo o roubo de carga, até mesmo com assassinato dos motoristas?

Solução:  EXIJA a nota fiscal em TODAS as suas compras!

 

Você acha um absurdo a desordem causada pelos camelôs?

Solução: NUNCA compre nada deles! A maior parte de suas mercadorias são produtos roubados, falsificados ou sonegados.

 

Você acha um absurdo o poder dos marginais das favelas?

Solução: NÃO compre nem consuma drogas!

 

Você acha um absurdo o enriquecimento ilícito?

Solução: Não o admire, repudie-o.

 

Você acha um absurdo a quantidade de pedintes no sinal ou de flanelinhas nas ruas?

Solução: NUNCA dê nada.

 

Você acha um absurdo que qualquer chuva alague acidade?

Solução: Só jogue o LIXO no LIXO.

 

Você acha um absurdo haver cambistas para shows e espetáculos?

Solução: NÃO compre deles, mesmo que não assista ao evento.

 

Você acha um absurdo o trânsito da sua cidade?

Solução: RESPEITE as regras do trânsito.

 

Você está indignado com o desempenho de seus representantes na política?

Solução: Nunca mais vote neles e espalhe aos seus amigos seu desalento e o nome dos eleitos que o decepcionam.” *

 

Estamos passando por uma fase de falta de cidadania e patriotismo.
Precisamos mudar nosso comportamento para que possamos viver num país onde tenhamos orgulho de dizer “sou brasileiro!

 

Ficando sem ação, você não contribui com nada e, portanto, não pode reclamar. Pratique os pontos com os quais você concorda e tente praticar também aqueles com que não concorda, pois, assim estará contribuindo para construir um Brasil melhor!” 

(*Estas dicas estão circulando na web e o autor é desconhecido)

 

A Diretoria


 

HIERARQUIA SINDICAL A SERVIÇO DO TRABALHADOR

 

As entidades sindicais são divididas em três grupos principais: as de 1º, 2º e 3º graus.

 

Sindicatos são entidades sindicais de 1º grau. O sindicato é uma associação que surge da necessidade de um grupo de trabalhadores de ter uma instituição que os represente. Os sindicatos profissionais além de trabalhar para conquistar melhores salários para a categoria, também se preocupa com condições de trabalho, qualidade de vida, formação profissional e demais áreas. Sindicatos são responsáveis também pela organização de greves e manifestações voltadas para a defesa dos interesses da sua categoria trabalhista.

 

Federações são entidades sindicais de 2º grau. Federações são associações que reúnem ao menos cinco sindicatos representativos ou de atividades ou profissões idênticas, similares ou conexas, organizadas por Estado, com o objetivo de coordenar os interesses dos sindicatos, podendo inclusive negociar contratos coletivos e ajuizar dissídios coletivos, para a categoria representada.

 

Confederações são entidades sindicais de 3º grau. Confederações sindicais são organizações sindicais de âmbito nacional que reúnem no mínimo três federações de uma mesma categoria econômica ou profissional e tem a exigência legal de ter sua sede na capital do país, ou seja, em Brasília.

 

As centrais sindicais, reconhecidas pela Lei 11.648/08, figuram como a maior unidade representativa de trabalhadores na organização sindical, como entidade de cúpula, acima das confederações, federações e sindicatos. A elas aderem sindicatos, federações e confederações de várias categorias, o que as tornam uma “representação intersindical nacional de trabalhadores.

 

O movimento sindical percorreu um longo caminho para assentar suas bases legais, uma estrutura organizada e eficiente a serviço do trabalhador.

 

A Diretoria


 

UMA CONTA A SER FECHADA 

 

Mais um ano e os aposentados que ganham acima do mínimo continuam amargando os vetos de todos os projetos aprovados pelo Congresso Nacional que autorizavam o mesmo reajuste para todos.

 

Com o anúncio pelo Governo Federal dos reajustes do salário mínimo de 11,67% e das aposentadorias acima do mínimo em 11,28% as perdas salariais dos aposentados e pensionistas subiram para 85%, segundo informa a Confederação Brasileira de Aposentados (Cobap). Cerca de 323.000 aposentados e pensionistas vão ter seus proventos nivelados na faixa do mínimo.

 

A entidade sindical, que representa aposentados e pensionistas do INSS, informa que o cálculo é baseado nas diferenças acumuladas dos reajustes nos governos de Fernando Henrique Cardoso (1994 a 2002), Lula (2003 a 2010) e Dilma (2011 a 2016).

 

Ora, depois de uma vida inteira contribuindo com valores maiores para a previdência e sonhando com uma aposentadoria tranquila, os aposentados que conseguiram conquistar um pouco mais estão sendo arrochados indignamente. Quando o montante de seus proventos não suporta mais o valor dos produtos, serviços, alimentação, saúde, medicamentos, são condenados na fragilidade da velhice a conhecer a pobreza.

 

É revoltante também saber que só os trabalhadores da iniciativa privada são “premiados”, pois os funcionários públicos são regidos por outras leis muito mais favoráveis, os políticos se aposentam com 12 anos de trabalho e salário integral e os governadores e presidentes após 4 anos de mandato.

 

Uma vergonha, que os políticos que elegemos para nos representar tenham aceitado estas mudanças na lei que rege este quinhão desafortunado de brasileiros e sequer pense em mudar a deles. Este é o preço do voto inconsequente. Para o governo, não passamos de uma conta que precisa ser fechada.

 

A Diretoria


 

UNIDADE DOS TRABALHADORES

 

A unidade dos trabalhadores é uma arma estratégica e imprescindível na luta por melhores condições de vida e pelas transformações necessárias na sociedade. As mudanças para melhor nos direitos trabalhistas e sindicais somente serão conquistadas com muita unidade, luta e mobilização.

 

Aglutinados pelas Centrais Sindicais, os trabalhadores estão organizados, motivados e respaldados pela atuação marcante do movimento, que luta por bandeiras que cobrem todas as categorias profissionais do país.

 

Grandes negociações salariais começam neste semestre e a força da unidade dos trabalhadores será requisitada. Os desafios para manter e ampliar esta unidade são grande, tais como: alongar e estreitar os laços de solidariedade com diferentes conjuntos de trabalhadores, incluir os trabalhadores informais, os momentaneamente desempregados e os precarizados no mercado de trabalho; superar o desafio de sindicalizar mais; implantar a organização sindical no local de trabalho e outros mais.

 

A boa notícia é que os trabalhadores querem avançar nas mudanças que nosso país necessita e estão conscientizando-se de que somente a sua unidade e coesão trará a força necessária para lutar pelas reformas que se fazem necessárias. A cada nova sindicalização, aumenta a força do Sindicato e do movimento que só é forte quando é representativo.

 

A Diretoria


SEAAC de Jundiaí e Região - Fale conosco! - (11) 4522-4802