Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos no Comércio e em Empresas de Assessoramento, Perícias,

Informações  e Pesquisas e de Empresas de Serviços Contábeis de Jundiaí e Região - SEAAC JUNDIAÍ


Home
Guias
Twitter
Blog
Ao Pe da Orelha
Base/Atendimento
Presidente
Diretoria
Categorias
Circulares CCT
Jurídico
Homologações
Seaac Destaca
Observador
Associe-se Já!
Faça seu Currículo
Convênios
Fale Conosco

 

AO PÉ DA ORELHA

CONSELHOS ÚTEIS!

 

“Tenha sempre o rosto sorridente procurando atender àqueles que o procuram com satisfação. Volte-se sempre para a luz, levando a todos o seu sorrio amigo, sorriso nascido no coração, a fim de que possa ser contagioso. Distribua nos lugares por onde permanece ou por onde simplesmente passa, a semente do bom humor.

 

Procure ser útil, existem inúmeras ocasiões, durante o dia, de prestar o seu auxílio; um simples olhar de simpatia, uma simples palavra de consolo ou de estímulo fazem erguer uma vontade desfalecida. Não importa que a ação praticada lhe pareça insignificante; por menor que seja a semente lançada à terra, sendo de boa qualidade brotará, pois, tudo que é bom não se perde.

 

Esteja sempre pronto a estender a mão àquele que cai, estimulando-o a se erguer e seguir novamente o caminho. Encoraje os que desfalecem e que se deixam vencer sem esperança e sem fé.

 

Distribua em todas as horas do dia gestos gentis, palavra amáveis, sorrisos atenciosos, boas ações. Essas atitudes de aparência simples realizam, muitas vezes, verdadeiros milagres.

 

O bom humor prolonga a vida e ajuda a resolver as dificuldades.”

 

Tenha um feliz Natal e receba um novo ano cheio de boas notícias!

 

A Diretoria


 

DIAS DE ATIVISMO CONTRA A VIOLÊNCA

 

A Campanha 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres é uma mobilização anual, praticada simultaneamente por diversos segmentos da sociedade civil e poder público, engajados nesse enfrentamento. Desde sua primeira edição, em 1991, já conquistou a adesão de cerca de 160 países. Mundialmente, a Campanha se inicia em 25 de novembro, Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, e vai até 10 de dezembro, o Dia Internacional dos Direitos Humanos, passando pelo 6 de dezembro, que é o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

 

No Brasil, a Campanha acontece desde 2003 e, para destacar a dupla discriminação vivida pelas mulheres negras, as atividades aqui começam em 20 de novembro, Dia da Consciência Negra.

 

As estatísticas mostram que 1 em cada 3 mulheres será estuprada, agredida ou abusada física ou sexualmente em sua vida. De todas as violações de direitos humanos que afetam as mulheres no mundo, a violência é um dos mais difundidos.

 

A violência contra a mulher, porém, vai mais além. Além dos aspectos físicos, ela também envolve as agressões morais e psicológicas. Apesar de toda evolução assistida durante o último século, além de recente, as mudanças ainda não trouxeram à mulher a condição necessária ao exercício de suas atividades na sociedade.

 

Urgem políticas para acelerar a ascensão das mulheres no mercado, com salários iguais aos dos homens. Mas também urgem as mudanças culturais para que a mulher não seja oprimida e abusada.

 

A Diretoria


 

Novembro Azul: a prevenção prolonga a vida!

 

O câncer de próstata é o câncer mais frequente no sexo masculino. Estatísticas apontam que a cada seis homens, um é portador da doença.No intuito de conscientizar a população masculina sobre a doença e visando a diminuir a taxa de mortalidade que ainda é alta, acontece mundialmente o movimento Novembro Azul, iniciativa que já faz parte do calendário nacional das campanhas de prevenção no Brasil. O objetivo é combater a doença e, principalmente, motivar a população masculina a fazer exames preventivos.
 
Quando aparecem os sintomas, mais de 95% dos casos de câncer de próstata já se encontram em fase avançada. Por isso, é importante o exame regular através do toque retal e do PSA periodicamente.

 

È recomendado procurar o urologista, a partir dos 50 anos, para discutir a prática e a realização da avaliação. Aqueles com maior risco da doença (história familiar, raça negra) devem procurar o urologista a partir dos 45 anos.

 

É preciso também combater o preconceito por parte dos homens que relutam em não fazer o exame. A prevenção é decisiva para evitar que a doença se instale. Estar consciente e deixar o preconceito de lado, prolonga a vida com qualidade.

 

A Diretoria


 

MORALIZANDO O BRASIL

 

Sabemos que a corrupção existe no Brasil desde que os primeiros portugueses aqui chegaram.  Desde 1500, desviar dinheiro público para enriquecer facilmente é prática comum entre a maioria de nossos políticos. Os brasileiros aprenderam ao longo dos séculos a conviver pacificamente com o político que “rouba mas faz”.

 

Assim, tornou-se absolutamente corriqueiro que as empresas soneguem impostos, que se usem imagens de santos para contrabandear metais e pedras preciosas, que se conviva com uma burocracia apropriada a favorecer espertos especialistas em leis, que os políticos criem dificuldades para então vender facilidades, e vai por aí...

 

A sociedade corrompida corrompe a todos em maior ou menor grau. Começa com um pequeno favor ou presente para obter uma pequena vantagem numa fila, por exemplo, e acaba nos bilhões roubados da Previdência ou da Petrobrás.

 

Mas, finalmente, parece que alguma coisa está mudando em nosso horizonte; a velha máxima dos três “P” que diz que cadeia é só para pobre, preto e prostituta, esta mundado, acrescentando-se mais um P de político e um ‘E” de empresário.

As eleições de outubro emitiram um recado através das urnas, apesar da grande indiferença demonstrada por um grande número de eleitores. O povo não deseja conviver com a corrupção e as misérias causadas por ela.

 

O brasileiro chegou ao seu limite, mas para fazer diferente precisa mudar o modo de olhar para si mesmo, as escolhas que faz para sua vida e o modo como ajuda a construir a sociedade. É isso mesmo, nós somos os agentes da mudança, que começa dentro de nós e se estabelece dentro de nossas casas, dentro de nosso bairro, dentro de nosso partido político, dentro da sociedade. Cabe a cada um moralizar este país.

 

A Diretoria


 

38 ANOS DE UMA PARCERIA FRUTÍFERA

 

Um Sindicato é uma associação de trabalhadores cujo objetivo é defender os seus interesses e direitos profissionais. Cada trabalhador é livre de participar da constituição de um sindicato e dele se tornar sócio, sendo o conjunto dos trabalhadores organizados num sindicato, livres para estruturar e regular o seu funcionamento além de definir as formas e os objetivos da luta coletiva. 

 

Assim nos últimos 38 anos nosso sindicato representa os interesses da categoria perante autoridades administrativas (prefeituras, governadores, secretários de estado e municipais, delegados regionais do trabalho etc) e judiciários (presidentes dos tribunais e juízes em geral); celebra convenções coletivas de trabalho; elege ou designa os representantes da categoria profissional, colabora com o estado, como órgãos técnicos e consultivos, para a solução de problemas relacionados com a categoria profissional que representa; recolhe e administra as contribuições de todos aqueles que participam da categoria profissional representada.

 

Dia 20 de outubro, comemoramos o aniversário do SEAAC Jundiaí; temos muitos motivos para comemorar esta data e um deles é celebrar esta frutífera parceria com a categoria, que nos permite representá-la, acreditando em nosso trabalho e fortalecendo nossa luta para melhorar a condição social dos trabalhadores.

 

Nosso associados nos impelem a ficar atentos à defesa dos seus interesses individuais e coletivos, nos estimulam a reunir informações e esclarecimentos valiosos sobre o mundo do trabalho e emprego e a investir na capacidade negociadora do sindicato, fortalecendo seu apelo nas questões jurídicas.

 

Agradecemos a você Associado por fazer do SEAAC um sindicato forte e representativo!

 

Maria Aparecida Feliciani
Diretora Presidente

 


 

OUTUBRO ROSA: PARTICIPE DESTE MOVIMENTO!

 

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil. Para estimular a conscientização da população para a detecção precoce da doença começa este mês a campanha Outubro Rosa.

 

O nome da campanha remete à cor do laço que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades: o rosa. Durante o período, monumentos por todo o país se iluminam com essa mesma cor.

 

O objetivo é reforçar o debate para que as pessoas participem das atividades promovidas em todo o país, disseminando o maior volume possível de informações sobre acesso aos serviços de diagnóstico e tratamento, contribuindo para a redução da mortalidade causada por uma doença que quando detectada precocemente pode ter cura. É importante frisar que o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece gratuitamente esse exame para mulheres brasileiras em todas as faixas etárias.

 

Fique atenta à programação mais perto de você e participe das campanhas de conscientização, um simples gesto como usar um fitilho rosa na roupa já é de grande valia. Homens e mulheres devem se unir para difundir a importância de prevenir a doença, lembrando ainda que os homens não são imunes à doença.

 

A Diretoria


 

Hora de acordar pessoal!

 

As notificações de suspeita de dengue, zika e chikungunya continuam, o tempo começa a esquentar, propiciando o nascimento do mosquito transmissor. Sem dúvida estamos vivendo um momento preocupante, pois, os danos causados pelas doenças que o mosquito carrega além de graves, podem levar à morte. Só poderemos enfrentar este problema adequadamente se houver uma grande mobilização da sociedade.

                    

Aliás, este é o grande X da questão. Parece que está muito difícil as pessoas caírem na real e entenderem que se não houver conscientização por parte de cada brasileiro para acabar com o mosquito mantendo sua residência limpa e sem criadouros, não vai haver governo capaz de acabar com esse problema.

 

Ao contrário, tanta nebulização por parte das prefeituras já esta tornando o mosquito transmissor resistente ao inseticida, tornando o combate eficaz apenas quando impedimos a reprodução do Aedes nos criadouros. Batemos então na mesma tecla: grande parte, senão a maior parte dos criadouros, ocorre nos ambientes domésticos, daí ser imprescindível a colaboração da população.

 

As prefeituras contam com agentes da saúde mas estes, decididamente, não poderão realizar o esperado milagre a menos que cada um cuide com responsabilidade de sua casa. Enquanto isso não acontece, as pessoas continuam adoecendo, em alguns casos morrendo, em outros casos tendo bebês atacados pela microcefalia, mas isso não tem muita importância enquanto continuar sendo na família dos outros, pensam alguns....

 

A dengue não é um problema dos outros, é um problema nosso. Está na hora de acordar pessoal!!!

 

A Diretoria

 

 


 

MAIS MULHERES NA POLÍTICA, JÁ!

 

Após tantos anos de luta do movimento de mulheres para a conquista de direitos óbvios, a desigualdade observada entre os gêneros mantém longe da política a grande maioria delas. As jornadas duplas e triplas são um enorme empecilho que obrigam qualquer mulher a ter consciência cívica, determinação firme e saúde muito boa para suportar a carga de trabalho tão grande que a envolve na vida pública e na vida privada sem falar no desânimo causado pela corrupção que corre solta no meio político brasileiro consumindo e invalidando esforços politicamente corretos e a falta de incentivo dentro do lar ou do ambiente de trabalho.

 

Infelizmente, nosso país ainda não tem ações eficientes que fortaleçam a ação dos movimentos de mulheres organizadas, carecendo de organismos específicos em nível não só federal, mas em cada estado e município que possam garantir o acesso à saúde e à educação de qualidade, ao trabalho decente, segurança e meio ambiente saudável, de modo que encontrem um caminho menos árduo ao optar pela política.

 

Esta é a realidade que vivemos e, portanto, não é estranho que as mulheres estejam mal representadas nas esferas de poder, apesar de somarem 52% da população brasileira, embora participem ativamente do mercado de trabalho e estejam melhor preparadas. Por isso elas DEVEM urgentemente tomar em suas mãos a produção das leis e regras que possam de fato instituir um sistema social de igualdade entre homens e mulheres, que jamais nascerá espontaneamente.

 

A verdade é que nossa democracia depende da presença de mais mulheres nos espaços de poder e tomada de decisões, cabendo também aos homens abrir e facilitar o acesso delas a estes espaços.

 

A Diretoria


 

A causa do trabalhador

 

Mais uma vez na história nosso país atravessa um momento caótico. A política vai mal, a economia pior, com juros altos, inflação, insolvência de empresas e uma taxa de desemprego prestes a ultrapassar a casa dos 12 milhões de pessoas sem trabalho.

 

Neste cenário sombrio, mais uma vez o governo tenta colocar nas costas do trabalhador o ônus de anos de má gestão, obrigando os trabalhadores a mobilizarem-se contra as ideias do planalto, que age rapidamente de forma articulada para fazer as mudanças com ar de legalidade e de solução para uma crise criada pelo próprio governo.

 

Em uma leitura calma das muitas propostas fica claro que a intenção do governo é detonar a CLT, flexibilizando FGTS, férias, previdência, 13º e tudo mais que puder, através da prevalência do negociado sobre o legislado. Melhor ainda seria conseguir o fim dos direitos trabalhistas em prol dos interesses do mercado.

 

Esta é luta que os trabalhadores enfrentam neste momento histórico, mais um ataque entre os tantos já sofridos ao longo último século, que nos prepararam e uniram para enfrentar mais este revés.

 

As centrais sindicais estão construindo uma forte unidade que começou com as marchas dos trabalhadores que deram origem a atual política do salário mínimo e tem mostrado que o movimento sindical brasileiro, unido aos movimentos sociais tem força para impedir o retrocesso e buscar soluções para implantar um desenvolvimento sustentável, voltado para a melhoria da qualidade de vida do cidadão.

 

Este é um momento delicado que vai exigir uma grande demonstração de força do movimento sindical e ao mesmo tempo vai elevar a consciência dos trabalhadores, trazendo a força daqueles que ainda estão “em cima do muro” para agregar-se aos que já estão comprometidos com nossa causa: preservar direitos, conquistar benefícios.

 

A Diretoria


APÓS DEZ ANOS A LEI MARIA DA PENHA É UMA DAS MAIS CONHECIDAS DO BRASIL

 

"Violentamente espancada", "ferida com golpes de facão", "amarrada dentro da própria casa", "incendiada pelo marido". A violência contra a mulher está presente em todos os estados, em todos os estratos sociais. Nos 10 anos da Lei Maria da Penha, o G1 compilou reportagens publicadas entre 2006 e 2016 – período que compreende a vigência da lei; são 4.060 textos, que reúnem histórias de mulheres agredidas, estupradas e mortas por maridos, companheiros, namorados ou ex-parceiros. Poderiam ser contos ficcionais, mas trata-se da realidade da mulher brasileira que poderia ser muito pior caso a lei não existisse.

 

Há dez anos, dia 7 de agosto de 2006, a lei foi criada no país para punir os autores da violência no ambiente familiar. É considerada uma das melhores legislações do mundo no combate à violência contra as mulheres pela ONU-Organização das Nações Unidas.

 

Pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - Ipea em 2015 avaliou a efetividade da Lei Maria da Penha e revelou que a medida fez diminuir em cerca de 10% a taxa de homicídios contra as mulheres dentro das residências, ou seja, a lei foi responsável por evitar milhares de casos de violência doméstica no país.

 

A violência não acabou, mas ganhou uma grande combatente. Desde sua promulgação unidades da federação passaram a contar com delegacias especializadas de atendimento à mulher e redes de apoio foram criadas, concentrando atendimentos jurídico, psicológico, médico, cursos e oficinas de capacitação, além de abrigo.

 

Em seus dez anos de existência, um dos melhores legados da Lei Maria da Penha foi definir que a denúncia não precisa partir só da vítima, o que está colocando um fim no paradigma que impunha que os problemas domésticos deveriam ser resolvidos dentro de casa e decretando o fim do silêncio.

 

Mas ainda há desafios, como a não aplicação da lei em alguns casos, a falta de grupos de recuperação para agressores, a não conscientização de parte da população sobre o que é violência doméstica, que paulatinamente serão vencidos.

 

A denúncia de violência doméstica pode ser feita em qualquer delegacia, com o registro de um boletim de ocorrência, ou pela Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180), serviço da Secretaria de Políticas para as Mulheres. A denúncia é anônima e gratuita, disponível 24 horas, em todo o país. Para proteger e ajudar as mulheres a entenderem quais são seus direitos, existe o aplicativo para celular (Clique 180) que traz diversas informações importantes, como os tópicos da Lei Maria da Penha. As prefeituras também oferecem centros atendimento, que acolhem as mulheres em situação de violência.

 

A Diretoria


 

DE OLHOS BEM ABERTOS!

 

A duas semanas da abertura dos Jogos Olímpicos no Brasil, a Polícia Federal prendeu dez suspeitos de planejar um ataque terrorista no país, anunciou o Ministério da Justiça. As detenções fazem parte da operação Hashtag, que segue monitorando outras pessoas com possível ligação com grupos extremistas. (Último Segundo)

 

Ao longo dos últimos anos temos assistido inúmeros ataques terroristas ao redor do mundo, que nos deixam chocados e perplexos com a criatividade da maldade humana. Vimos tudo através das lentes das câmeras e sempre nos julgamos distantes desse tipo de violência.

 

Os fatos, infelizmente, demonstram que nenhum país está de fato imune a este tipo de ameaça uma vez que qualquer lugar do planeta é um possível alvo do terrorismo islâmico, destemido, bem organizado e armado.

 

Neste momento, a Olímpiada do Rio de Janeiro é um prato cheio para qualquer grupo terrorista querer meter sua colher. Uma cidade acolhedora, cristã, festiva (tudo que “eles” odeiam), cheia de jornalistas (o que “eles” adoram) onde mais de dois milhões de pessoas são esperadas para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.

 

Os brasileiros esperam realizar os jogos em paz, mas não são inocentes e por isso estão de olhos abertos.  Trabalho conjunto já vem sendo feito há meses em parceria com órgãos de inteligência estrangeira, sobre tudo com os norte-americanos, franceses, ingleses e israelense. Eles ofereceram treinamento aos agentes brasileiros e o compartilhamento de informações.

 

A população também está sendo treinada. O Ministério da Defesa, a Abin, a Polícia Federal e a Secretaria Extraordinária para a Segurança de Grandes Eventos promovem, desde fevereiro, cursos para que voluntários, taxistas, recepcionistas de hotel ou funcionários do transporte público aprendam a identificar possíveis ameaças e como lidar com elas.

 

Aquilo que o Estado pode fazer para prevenir atos terroristas, sem dúvida alguma está sendo feito, tudo sem muito alarde, porque anunciar demais não é prudente.

 

A Diretoria


 

A POLÍTICA NÃO É PRIVILÉGIO DOS MAUS!

 

Na próxima eleição o Brasil contratará milhares de funcionários públicos, que preencherão os cargos de prefeitos e vereadores. Certamente o eleitor terá dificuldades em escolher ou selecionar um candidato que não esteja ou tenha sido comprometido com os esquemas de corrupção que assistimos diariamente há anos, como Mensaleiros, Anacondas, Sanguessugas, Vampiros, Castores, Gafanhotos, Lavadores-a-jato etc.

 

É necessário reagir contra tudo isto e não deixar que o clima de desânimo que contagia o eleitorado em relação ao pleito de outubro, nos faça mais uma vez perder o bonde da história.

 

Numa democracia representativa, na qual o eleitor delega aos candidatos o poder de representá-lo no exercício de funções públicas, fazer política sem honestidade e eleição sem participação é uma desastrosa perda de tempo, porque não estimula o desenvolvimento de programas de governo que  possam competir entre si, para conquistar o voto de confiança dado pela sociedade.

 

Apesar de toda desilusão que sentimos, precisamos escolher aqueles que não têm passado duvidoso, que tenham demonstrado atitudes coerentes com seus discursos, que pensem em uma forma transparente de fazer política e que, principalmente, pensem em um presente melhor para o nosso país, porque, decididamente, temos sim a capacidade de mudar o rumo da história e fazer com que a política não seja apenas privilégio dos maus.

 

A Diretoria


SEAAC de Jundiaí e Região - Fale conosco! - (11) 4522-4802